Resenha Literária: O LIVRO DE MEMÓRIAS, de Lara Avery

Editora Seguinte

Ficção/Young Adult

“Você não precisa ser um robô […] As coisas que você faz não precisam obrigatoriamente seguir na direção de um objetivo. Às vezes você pode parar ou fazer uma pausa, pelo menos. Às vezes você pode simplesmente ser.”

“Estou feliz por escrever sobre as coisas boas e as ruins. Feliz por não ter apagado nada. E todos os momentos entre as coisas boas? Se você só consegue lembrar suas aspirações, não terá ideia de como foi ponto A para o ponto B.”

 ESPAÇO

Primeiro aviso aos navegantes: se você gostou de livros como “Raio de Sol” e “Por Lugares Incríveis”, esse é o seu lugar.

 ESPAÇO

“Quero que você seja descolada […] Não uma pessoa definida pela legenda que escolhe para a vida. Acho que, em fotos, muitas vezes as pessoas fingem que estão se divertindo porque querem que outras pessoas pensem que estão se divertindo. Bem, isso não é vida real, é?”

ESPAÇO

Em termos de enredo, “O livro de memórias” não tem nada a ver com “Por Lugares Incríveis”, mas não consigo deixar de sentir que ele tocou a minha vida em áreas que PLI também tocou. Talvez seja só uma impressão de leitora, mas, sim, acho que quem leu um, vai se sentir em casa com o outro.

 “Histórias fazem bem em momentos como esse, seja contá-las ou ouvi-las […] Histórias são sempre boas.”

Já com relação a “Raio de sol”, além de se assemelharem em termos de qualidade da narrativa, os enredos são bem parecidos e, e, e, eeeee vou encerrar qualquer comentário sobre isso por aqui pra não dar maiores spoilers (maaaaaaaaaaas, até uma etapa do final com trechos/cartas/bilhetes/textos é i-g-u-a-l, rs).

Okay. “O livro de memórias” foi, para mim, até agora, a melhor leitura de 2017. Eu me emocionei tanto com esse livro que, depois de chorar uns bons litros ao final, fechei o livro e fiquei encarando a parede branca assim, só refletindo… Apesar dos sentimentos conflitantes e muitas vezes dolorosos que esse tipo de leitura provoca, eu adoro. Adoro. Acho que é, principalmente, para isso que livros existem, para fazer você querer ser melhor, para te ajudar a viver melhor e ter maior clareza sobre as coisas. São guias de entretenimento para portais de como desfrutar da melhor maneira possível a realidade.

 ESPAÇO

“Os debates fizeram você perceber que não era preciso se perder em mundos inventados para conhecer a vida fora do Upper Valley. Eles te deram esperança de que poderia se você mesma e ainda fazer parte do mundo real.”

ESPAÇO

Eu nem sei dizer o que mais me encantou nesse livro. Eu amo os livros da Seguinte, acho que são tão bonitos. Capa, diagramação e tudo mais. A única coisa que mata é aquele marcador que vem embutido na aba final, alguém realmente acha que eu vou cortar aquilo? NUNCA, minha gente. Não se fere um livro dessa maneira. Antes viesse logo solto, rs. Mas okay, dramas à parte, vamos à leitura.

 ESPAÇO

“Lembro vagamente de uma citação de um dos meus teóricos preferidos, Noam Chomsky – algo sobre otimismo como uma estratégia, não apenas um sentimento. Se você não acreditar que o futuro vai ser melhor, então não vai agir para melhorá-lo. Parece piegas, mas existe outa palavra para pieguice: sinceridade.”

ESPAÇO

Samantha é uma jovem caminhando para o fim do seu ensino médio, recém-aprovada na faculdade dos seus sonhos, NYU, em Nova Iorque. Sammy acredita que, em breve, terá tudo que sempre sonhou, sairá de sua cidadezinha natal para ganhar o mundo e ser reconhecida por sua inteligência. Entretanto, um obstáculo se pôs em seu caminho. Ela descobre que tem uma doença degenerativa chamada Niemann-Pick e que tudo, muito provavelmente, ruirá em decorrência disso.

“Temos que nos acostumar com a ideia de que ninguém se importa tanto quanto nós porque… adivinha? Ninguém se importa. Sucesso, fracasso, tanto faz! […] Então o ideal seria fazer todas essas coisas por nós mesmos, não pelos outros.”

Porém, Sammie não está disposta a deixar os obstáculos a vencerem (quando foi que ela esteve? Nunca, é claro!), então, para começar a resolver seus problemas, ela decide escrever um livro de memórias, porque perda de memória é um dos sintomas mais fortes e graves da sua doença, e ela não está disposta a esquecer de coisa alguma. O livro vai ajudá-la a manter as memórias em dia e a preencher as eventuais lacunas que apareçam.

“Talvez a gente dependa demais de outras pessoas para definir o que é sucesso. Tipo, talvez a gente compartilhe demais as coisas. Talvez seja por isso que coisas boas perdem um pouco a graça, porque sempre revelamos tudo.”

Antes de tudo, eu estou verdadeiramente encantada pela mente da Lara Avery, autora do livro, por criar um enredo tão sensível, tão coerente, tão real e tão inteligente. Essa ideia do livro de memórias e a maneira como ele se torna Sam na íntegra é tão brilhante que nem sei colocar em palavras. Além disso, adorei a estratégia de escrita da autora.

 ESPAÇO

“Ele fica mais feliz quando está fazendo o que quer, não apenas o que sente que precisa fazer. Todos estaríamos melhor fazendo isso, acho.”

ESPAÇO

Então, temos Sam prestes a se formar, batalhando com os pais e com a direção da escola para permanecer estudando e querendo provar a todos que a doença não é maior que ela, que o seu cérebro vai vencer, afinal, o cérebro é tudo que ela tem, é tudo que ela é, como ela sempre enfatiza.

 ESPAÇO

“Este ano, eu realmente comecei a querer coisas. E não só coisas que dependem da minha capacidade. Quero coisas maiores, que não têm nada a ver comigo.”

ESPAÇO

Algumas coisas nesse livro me tocaram muito, muito mesmo. É linda a maneira como Sammie se revela através das páginas de word, é inevitável também constatar como ela evolui tanto em tão pouco tempo, enquanto pensa que está declinando. Adoro a estrutura familiar de Sammie e tudo que ela representa: a relação com os irmãos e com os pais e o reflexo de cada um no outro. A percepção que ela tem deles é tão sensível, tão peculiar. Eu lia esse livro só pensando em como nós precisamos ser conhecidos e enxergados, como precisamos ser amados por quem somos para que nossa vida seja realmente algo relevante e não apenas um passeio pela Terra. Mas, a mensagem que ficou para mim é que isso não depende só de sermos quem somos, e sim de todos termos um olhar apurado e empático sobre os outros incondicionalmente. Ai, que livro!

 ESPAÇO

“A expressão em seu rosto dizia que ele sabia exatamente do que eu estava falando, e o prazer de ser reconhecida e entendida era como o de dedos descendo pelas minhas costas.”

ESPAÇO

Sammie, enquanto luta contra o tempo e contra o fato de que sua doença a levará ao esquecimento e à morte, acaba se deparando com as experiências mais intensas que já teve. Ela passa a viver, de fato, e não apenas percorrer um caminho. Claro que isso não é algo que ela percebe, mas, você, leitor, irá perceber.

ESPAÇO

“Mas suponho que, ao perder algumas camadas, seu núcleo dourado veio à tona. Você é carinhosa, compassiva, determinada, talentosa e linda e será assim para sempre, seja de corpo presente, em nossas memórias ou neste livro.”

ESPAÇO

Existe várias coisas maravilhosas que valem a pena serem ressaltadas, como a relação de Sammie com Stuart. Quem é Stuart. Por que ele é quem ele é. O efeito dele sobre a vida de Sammie e a relação pura e simples dos dois… É leve, é tudo que deveria ser. Então, tem Maddie, cuja relação com Sammie é qualquer coisa menos leve, mas cuja intensidade é fundamental para colocar tantas coisas em perspectiva para Sammie. E, enfim, temos Cooper. Cooper… Nossa. Sem palavras para tudo que Cooper é e representa para Sammie. Mas só consigo pensar na palavra “raiz”. Amo Cooper. Achei o desenvolvimento dele sensacional e coerente. Fundamental.

“Você provavelmente não acredita nisso, mas pessoas inteligentes são as que mais sabem se divertir.”

 “Eu amo tudo e todos de uma vez […] As janelas dos andares mais altos dos prédios ficam na mesma altura, a poucos metros de você, e você está bem ali, tão perto da vida de outra pessoa. Ou quando as pessoas brigam ou se beijam no metrô, bem do seu lado. Acho que gosto de estar perto da vida de outras pessoas.”

ESPAÇO

“O livro de memórias” é um livro que vai fazer você querer reviver/repensar as suas próprias memórias, sua trajetória, seu presente e seu futuro. Confesso que foi uma leitura muito especial pra mim. Sammie é uma personagem tão real, com tantos defeitos e qualidades plausíveis, com tanta sensibilidade e capaz de tanta representatividade, que, pra dizer o mínimo, é interessantíssima.

ESPAÇO

“Como um corpo pode conter tantas pessoas diferentes?”

 “Nascer transforma pessoas em monstros egocêntricos.”

Desejo que vocês leiam o livro e espero que se encantem, se apaixonem e sejam tão tocados quanto eu! É isso então, fica a dica pra vocês, espero que gostem! <3

Beijos e até mais! 😉

 ESPAÇO

Nota no Skoob: 4,4/5 

Nota no GoodReads: 4,1/5 

Nota no Orelha de Livro: Ainda não tem.

MINHA Nota: 4,9/5

ESPAÇO

Resumo oficial:

“Sammie sempre teve um plano: se formar no ensino médio como a melhor aluna da classe e sair da cidade pequena onde mora o mais rápido possível. E nada vai ficar em seu caminho — nem mesmo uma rara doença genética que aos poucos vai apagar sua memória e acabar com sua saúde física. Ela só precisa de um novo plano. É assim que Sammie começa a escrever o livro de memórias: anotações para ela mesma poder ler no futuro e jamais esquecer. Ali, a garota registra cada detalhe de seu primeiro encontro perfeito com Stuart, um jovem escritor por quem sempre foi apaixonada, e admite o quanto sente falta de Cooper, seu melhor amigo de infância de quem acabou se afastando. Porém, mesmo com esse registro diário, manter suas lembranças e conquistar seus sonhos pode ser mais difícil do que ela esperava.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *