Empoderamento Feminino (4 filmes + 1 série)

No ano passado, quando Mad Max – Estrada da Fúria foi lançado, eu me lembro de ter sentido uma vontade genuína de ser uma pré-adolescente de novo e acrescentar a Imperator Furiosa ao meu rol de heroínas (do ladinho da Xena). Depois, quando saiu Star Wars – Episódio VII, senti a mesma vontade ao ver uma Rey tão poderosa em ação e pensei: “é uma boa fase para ser uma garotinha de pouca idade”. Não acham? Bem, eu tenho uma notícia ruim e uma boa. A notícia ruim é que o machismo ainda é real, sabemos, vivemos e sentimos isso na pele diariamente. A notícia boa, em contrapartida, é que o empoderamento feminino tem ganhado cada vez mais força, já começando a incomodar quem realmente deve ser incomodado. A questão é: mulheres fortes sempre existiram no nosso dia-a-dia (Oi, mãe! Oi, vó!), mas será que sempre tiveram o espaço que estão tendo para inspirar tão fortemente a fantasia?

Nossa representação feminina empoderada tem ganhado cada vez mais espaço nas artes em geral – na música, no cinema, nas séries etc. – e não mais se resume à figura da mulher indefesa, que sempre precisa ser salva pelo mocinho e acha que o beijo dele é capaz de curar tudo, inclusive, salvar nossa vida. Não nos contentamos mais apenas com coadjuvantes, afinal, também temos sede de protagonismo e queremos nos ver representadas como as mulheres que lutam e fazem acontecer. Quem disse que nossas guerreiras do cotidiano não podem inspirar as guerreiras e heroínas da fantasia? Enfim estão se tocando de que elas podem, e que peninha dos incomodados! Então, por tudo isso, surgiu a ideia de fazer este post. Por que não fazer uma listinha de alguns títulos que recentemente nos despertaram esse sentimento de pertencimento e essa sensação deliciosa de representatividade no mundo das heroínas e da fantasia?

Vamos à listinha, felizmente, meramente exemplificativa:

Malévola (2014)

IMDB: 7,0

epanvdd7ijm409842prj2lphv malevola-novo-trailer-musica-lana-del-rey1-922x620

Um filme que me surpreendeu de forma muito positiva. Ele não foi o filme que acendou a fagulha da vontade de voltar a ser criança – foi Mad Max, como eu falei no início do texto –, mas Malévola foi sem dúvida um filme que me marcou. Eu me lembro de ter saído do cinema amando ainda mais a Angelina Jolie e pensando: “Caramba, a Disney está se reciclando! Que coisa linda!” Sei muito muito bem que isso tudo está sendo feito pra vender, mas que lindo que está vendendo e que lindo que está acontecendo. Vocês não acham?

Sinopse: Baseado no conto da Bela Adormecida, o filme conta a história de Malévola (Angelina Jolie), a protetora do reino dos Moors. Desde pequena, esta garota com chifres e asas mantém a paz entre dois reinos diferentes, até se apaixonar pelo garoto Stefan (Sharlto Copley). Os dois iniciam um romance, mas Stefan tem a ambição de se tornar líder do reino vizinho, e abandona Malévola para conquistar seus planos. A garota torna-se uma mulher vingativa e amarga, que decide amaldiçoar a filha recém-nascida de Stefan, Aurora (Elle Fanning). Aos poucos, no entanto, Malévola começa a desenvolver sentimentos de amizade em relação à jovem e pura Aurora.

Mad Max: Estrada da Fúria (2015) 

IMDB: 8,1

CHARLIZE THERON Character(s): Imperator Furiosa Film 'MAD MAX: FURY ROAD' (2015) Directed By GEORGE MILLER 13 May 2015 SAM51136 Allstar/WARNER BROS. **WARNING** This Photograph is for editorial use only and is the copyright of WARNER BROS. and/or the Photographer assigned by the Film or Production Company & can only be reproduced by publications in conjunction with the promotion of the above Film. A Mandatory Credit To WARNER BROS. is required. The Photographer should also be credited when known. No commercial use can be granted without written authority from the Film Company.

Furiosa

Eu me lembro de que não fui assistir a Mad Max na semana de estreia, demorei algum tempo pra ir ao cinema, mas os comentários sobre ele eram tão ensandecidos que não me aquietei até ver o filme e constatar qual a razão de tanto “reboliço”. Homens enraivecidos pelo roubo do protagonismo do filme. Homens enlouquecidos porque se sentiram humilhados e diminuídos em sua masculinidade. E eu só pensando “migos, menos!”, enquanto ria e achava tudo lindo. (Tem post especial sobre Mad Max aqui no blog e fui eu mesma quem fiz, você pode conferir clicando aqui!)

Sinopse: Após ser capturado por Immortan Joe, um guerreiro das estradas chamado Max (Tom Hardy) se vê no meio de uma guerra mortal, iniciada pela Imperatriz Furiosa (Charlize Theron) na tentativa se salvar um grupo de garotas. Também tentanto fugir, Max aceita ajudar Furiosa em sua luta contra Joe e se vê dividido entre mais uma vez seguir sozinho seu caminho ou ficar com o grupo.

Star Wars – Episódio VII: O Despertar da Força (2015)

IMDB: 8,3

finn-rey Rey-2-1200x801

Se Mad Max deu confusão, com Star Wars não poderia ter sido diferente. Tão logo saiu o primeiro trailer com uma mulher e um negro como protagonistas, surgiram os “boicoteiros” dizendo que não assistiriam ao filme. E eu pensando: “Que pena, migo! Pena de você e azar o seu porque vai ser lindo!” E como foi lindo, não acham?

Sinopse: Décadas após a queda de Darth Vader e do Império, surge uma nova ameaça: a Primeira Ordem, uma organização sombria que busca minar o poder da República e que tem Kylo Ren (Adam Driver), o General Hux (Domhnall Gleeson) e o Líder Supremo Snoke (Andy Serkis) como principais expoentes. Eles conseguem capturar Poe Dameron (Oscar Isaac), um dos principais pilotos da Resistência, que antes de ser preso envia através do pequeno robô BB-8 o mapa de onde vive o mitológico Luke Skywalker (Mark Hamill). Ao fugir pelo deserto, BB-8 encontra a jovem Rey (Daisy Ridley), que vive sozinha catando destroços de naves antigas. Paralelamente, Poe recebe a ajuda de Finn (John Boyega), um stormtrooper que decide abandonar o posto repentinamente. Juntos, eles escapam do domínio da Primeira Ordem.

Jessica Jones (2015)

IMDB: 8,3

maxresdefault jessica-jones-ritter-eka-darville

Uma heroína com super-força na sua própria série que não está vestida com trajes ridículos e sendo colocada em posição inferior? Amei e super indico! Trouxe Jessica Jones, mas poderia muito bem ter trazido Sense8 (pra que mulheres mais fortes que Sun, Nomi, Kala ou mesmo Riley e Dani?), afinal, a Senhora Netflix é destruidora mesmo e não brinca em serviço.

Sinopse: Desde que sua curta vida como super-heroína acabou de forma trágica, Jessica Jones (Krysten Ritter) vem reconstruindo sua carreira e passou a levar a vida como detetive particular no bairro de Hell’s Kitchen, em Nova York, na sua própria agência de investigações, a Alias Investigations. Traumatizada por eventos anteriores de sua vida, ela sofre de Transtorno de Estresse Pós-Traumático, e tenta fazer com que seus super-poderes passem despercebidos pelos seus clientes. Mas, mesmo tentando fugir do passado, seus demônios particulares vão voltar a persegui-la, na figura de Zebediah Kilgrave (David Tennant), um obsessivo vilão que fará de tudo para chamar a atenção de Jessica.

Mulher Maravilha (2017)

IMDB: qual sua aposta?

Wonder-Woman-screenshot Wonder-Woman-Gal-Gadot

Batman x Superman foi um filme que de modo geral não agradou à crítica e não conquistou boa parte dos fãs. Mesmo quem gostou do filme, como eu, tem pontos a apontar e criticar, e sabe que não foi um dos melhores filmes da vida. Mas numa coisa o filme acertou em cheio, falando por mim e por muitos comentários que vi de fãs, a Mulher Maravilha de Gal Gadot arrasou e a ansiedade para o filme solo dela, que vai sair em junho de 2017, é grande.

Obs.: não estou ignorando a série da Mulher Maravilha dos anos 80, mas convenhamos que isso já faz bastante tempo e já passou da hora de um remake de qualidade. Além do mais, uma andorinha só não faz verão, não é mesmo? Vamos ter protagonistas e heroínas pra dar e vender, afinal, pra que mesmo precisamos nos limitar?

Pra ter um gostinho do que vem por aí, uma cena maravilhosa:

12805886_1095454367166269_1511114748644330856_n

—–

Então é isso, viva o empoderamento feminino e vamos incomodar mesmo! Porque quem se incomoda com mulheres ganhando igualdade de direitos tem mais é que ser incomodado, afinal, são essas pessoas que são o problema! Vai ter heroína sim! Vai ter mulher que sabe lutar sim! E vai ter mulher protagonista em filme voltado para todos os públicos sim! Espero que tenham gostado da listinha.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *