Pintando e Bordando #UmaDosedeInspiração

Por vezes, me pergunto quando as pessoas deixaram de ser prosa e poesia e se tornaram números e equações. Todos andamos tão freneticamente, todos temos uma rotina tão exaustiva que, não raras vezes, tornamo-nos um tanto quanto frios porque perdemos a sensibilidade de perceber o que nos cerca e de compreender as pessoas. Na verdade, pessoas não são ciência exata.

Continue lendo


#DIY: Tutorial de Marcadores de Página

                Dentre tantas coisas que amamos, estão os livros e as fofurices, me permitam o neologismo. Nesse post, unimos esses amores para trazer uma excelente dica: marcadores de livro personalizados, feitos à mão. Tudo que é feito à mão é mais poético, além de tornar-se algo único.

Continue lendo


Primavera cativante

A admiração e o respeito que levo em meu coração pelas flores e plantas nasceu da semente plantada por minha mãe ainda na infância. Na casa em que moramos, quando eu tinha entre dois e cinco anos, havia um enorme jardim cheio de flores, em especial roseiras, e algumas árvores frutíferas (que saudade que tenho do pé de pinha!). É claro que a vastidão do jardim dava-se pela perspectiva de uma menina no auge e na altura de seus três anos de idade! De toda forma, lembro-me da minha mãe regando as plantas e me dizendo que elas mereciam cuidado e carinho. Para ela, as flores são o melhor presente. Guardei essas coisas em meu coração.

Continue lendo


Pra Sonhar e Perceber

“É preciso força pra sonhar e perceber que a vida vai além do que se vê” 
Além do que se vê – Los Hermanos
Quando nós somos crianças, a vida é tão bonita, não é? Qualquer pequena alegria é uma verdadeira felicidade. Eu me lembro de que, por volta dos meus 5 anos de idade, uma das minhas brincadeiras favoritas era armar “cabaninha” na sala de casa. O manual da brincadeira dizia: “Monte você mesmo a sua cabana! Use de duas a quatro cadeiras e alguns cobertores!” E depois de montada era a hora de ser feliz! Aquele singelo conjunto de cadeiras e cobertores – uma verdadeira bagunça que deixava nossas mães de cabelo em pé – era um perfeito castelo, e ai de quem ousasse desmontá-lo!

Continue lendo